Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Deep With Me

Deep With Me

...

Beija-me até me arrepiares a pele, até a sentires quente. 
Quando sentires isso, não pares. 
Sente o meu rosto, sente o meu corpo, as minhas formas. Abraça-me.
Não tenhas medos nem receios. 
Deixa-me sentir o teu perfume, deixa-me sentir protegida.
Quero tocar-te, quero sentir-te, beijar, amar e foder-te.
Quero-te em mim, quero-me em ti, no corpo, na alma, na mente...
Não quero esquecer-te. Quererás recordar-te?
Quero-te hoje,como te quis ontem.
Quero ter-te enquanto me quiseres. Sem dúvidas, apenas com certezas.

...

Quem serei quando não te tiver a meu lado?

 

Quem me tirará a respiração e me fará viver? 

 

Preciso os teus lábios nos meus, das tuas mãos na minha pele.

Do teu olhar em mim, quando me penetras devagar, para veres cada traço do meu rosto.

Quando investes com força, quando me fazes gemer, me fazes implorar por mais.

Do teu abraço que me proteje e acarinha. Do teu sorriso que me desarma.

Da tua voz que me embala, me canta e me excita.

 

Quem serei sem o teu amor?

 

Quem serei quando te perder?

...

Sinto-te comigo.
Sinto-te em mim.
O odor, o sabor, o toque ...
Um desassossego que a proximidade não acalma.
Onde um momento se torna uma eternidade.
 
 
Momentos que me fazem sentir viva, que me fazem ser eu... onde me permito construir castelos no céu.
 
Mostra-te perante mim, liberta-te, revolta-te.
Despe-te e deixa os sonhos caídos a teus pés.

...

Saudades. Saudades imensas.

Desperto o cinto do casaco, deixando-o aberto. 

Percorres me o corpo ao pormenor....o cabelo ruivo em perfeitos cachos, os olhos pretos, os lábios vermelhos, o corpete rendado com os seios expostos, a cueca rendada, as meias liga e as botas altas pelo joelho.

Sentado na poltrona de perna cruzada estás tu. Uma mão sobre o queixo, o outro braço estendido enquanto brincas com os dedos e apenas observas com o esboço de um sorriso safado.

Quase parece que os teus olhos me rasgam a pele e encontram a alma.

Enquanto te endireitas, chamas e puxas-me a ti. Estou sentada sobre ti com as pernas a rodearem-te a cintura.

Passas-me o polegar nos lábios, estragando a maquiagem. Não paras. A tua mão desce sobre o pescoço e só pára no peito deixando um rasto vermelho.

Agarras-me a nuca e beijas-me. Um beijo bruto, sôfrego. Necessitado. 

Saudades. Saudades imensas.

Esse sorriso que me faz enlouquecer, esse beijo que me faz esquecer, esse toque que me faz implorar. 

 

...

Sentada no chão tendo como tecto um céu estrelado iluminado pela lua em quarto crescente, recordo cada linha do teu rosto.

 
Um rosto que me faz sorrir e chorar, que me excita e me retrai. 
 
Fecho os olhos e os teu dedos percorrem-me a face, contornam-me os lábios abrindo-os ligeiramente.
 
Juntas o teus lábios aos meus num beijo sentido, suave e ao mesmo tempo esfomeado. Um beijo feito no céu absolutamente perfeito.
 
Belisco os mamilos e agarro os seios mas falta a respiração acelerada ao meu ouvido. 
 
Os dedos dentro de mim e a pressão no clitóris não tem a força devida.
 
Falta o calor do teu corpo, as tuas mãos em mim, a agarrar o cabelo, falta o beijo, as palavras perversas num tom de voz irresistível e a promessa de prazer inesquecível.
 
As mãos procuram satisfazer a volúpia que me consome chegando ao orgasmo enquanto murmuro o teu nome.

 

...

Acordo-te com um beijo. 

Desperto-te com um toque. 
 
As minhas unhas raspam a tua barba e enrolas-te todo como um gato em busca de mimo.
 
Um fino lençol cobre o teu corpo mas a ereção é bem percetível. 
Deitada de lado, com uma perna entrelaçada na tua e com o joelho já a roçar-te o membro, brinco com os teus pêlos do peito.
 
Sorris. Sabes o que quero. O que preciso.
 
Beijas-me. Um beijo ardente e caloroso que depressa se torna desejoso.
Puxas-me e estou sobre ti. 
 
Enquanto me beijas, agora vorazmente, acaricias-me o peito e beliscas os mamilos.
Eu roço em ti e na ereção latejante que se faz notar ao mesmo tempo que te agarro o cabelo com força.
 
Encaixo-me em ti e arquejo com o calor que me percorre o corpo.
 
E fodemos. Sim é essa a palavra. É uma busca de prazer mútua num ritmo frenético. Entre arquejos, gemidos e rugidos chegamos ao prazer. 
 
Satisfeita deixo-me cair sobre ti e afago-te o rosto. 
Embalada pelo bater do teu coração e enquanto me acaricias o cabelo, fecho os olhos.
 

...

Gestos subtis percorrem-te o corpo como que murmúrios sem os compreenderes.

Palavras gravadas em segredo na tua pele por cada toque

Gritos sem voz abafados por sombras escondidas nas sombras

Uma oferta não completa por trás de um sorriso

Uma dor no peito por cada toque de amor

...

A camisola tinha descaído expondo o meu ombro. Beijou-o e ali ficou.
Os seus olhos procuravam os meus e os meus ... bem ... procuravam fugir.

Colocou a mão no meu queixo virando-me para ele.
- Não fujas. Disse-me.

Como fugir? Não me conseguia mexer. O meu corpo não obedecia.

Percorreu o ombro, pescoço e nuca cobrindo-me toda a pele com pequenos beijos ao mesmo tempo que me girava ficando de costas para ele.

As mãos estavam nas ancas pressionando-me para trás, fazendo-me sentir o seu membro a pulsar. Desapertou-me as calças.

Levantei os braços para me tirar a camisola mas parou-a nos braços, deixando-os presos. Rodou sobre mim, encostou-me a parede, manteve os meus braços elevados, ainda presos e segurou-os com uma mão enquanto que com a outra tirava os seios para fora do soutien.

Ergueu-me o queixo e passou a mão sobre o pescoço apertando levemente, entre os seios, descendo sempre até aos pêlos púbicos, onde continuou e explorou o sexo.

Tinha o coração fora do peito sentindo a sua batida sobre a pele.

Presa, encurralada e porém nunca me senti tão segura.

As mãos pequenas, ágeis, pressionavam o clítoris enquanto seus dedos me penetravam.
Sua boca quebrava os meus gemidos com beijos desejosos.

Cheguei ao cume do prazer apenas com a sua mão.

...

Entre frases escondidas
E sorrisos secretos
Uma chama entre as cinzas
Em dois estranhos completos

Sem passeios a beira mar
Ou no café sem mão dada
Entre paredes erguidas
Não se esperaria mais nada

Esperava não esperar
Por apenas te querer
E assim sem contar
Mostrei-te a alma sem saber

Sinto que estou perdida
E não sei por onde caminhar
Tenho um segredo no peito
E não o posso partilhar

Será o certo ou o errado?
Como poderei continuar?
Cabeça erguida, sorriso no rosto.
Ficam as palavras para recordar

...

Sento-me sobre ti... para beijar esses lábios que me fazem esquecer a chuva que cai lá fora.
Para agarrar o cabelo que me faz suspirar.

As tuas mãos passeiam sobre as minhas coxas e rabo, pressionando-me contra ti.

Abro-te a camisa mais uma vez, recordando os momentos anteriores.

Só mais uma vez.

Os meus dedos dançam sobre o teu peito ainda transpirado a meu bel prazer, afastando a camisa e expondo o teu peito nu, só para mim.

Tenho de ir e quero ficar.

Tens de ir...

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub